Mapa Conceitual é recurso de aprendizado em Filosofia

Produção escrita do próprio aluno favorece a apropriação do conhecimento

Alunos do Ensino Médio estão aprofundando seus conhecimentos em Filosofia. Uma ferramenta tem sido importante neste momento: o Mapa Conceitual, um método para atribuir significado e organizar o que foi aprendido em sala de aula.

Segundo a professora Roberta, de Filosofia, é uma representação gráfica, de significados conceituais que auxiliam no processo de aprendizagem. O estudante pode fazer anotações, resolver problemas, planejar o estudo e a escrita de grandes relatórios, preparar-se para avaliações, identificar a relação dos assuntos em diversas disciplinas.

“Os mapas conceituais compõem um grande recurso para detectar e apreciar o que os alunos já sabem e são proveitosos enquanto apoio ao esquema de percursos de aprendizagem, assim como as reelaborações”, explica.

O Anglo Leonardo da Vinci acredita que o desenvolvimento cognitivo passa, necessariamente, pela produção escrita elaborada por eles, favorecendo a apropriação do conhecimento. A reelaboração é o produto do estudo em casa e na escola, quando o estudante pesquisa, reflete e amplia sua compreensão sobre um assunto.

Dessa forma, o 1° ano está aprendendo Pré-Socráticos, o 2º ano se aprofundando nas Escolas Helenistas e o 3º ano conhecendo os pensamentos Pós-Kantianos.